Diário Canino

Esta seção terá notícias mais objetivas sobre assuntos ligados ao Canil New Kraftfeld.

  • 03 de Agosto de 2015
  • No Campo de Força.

O ser humano é complexo. Estou com filhotes que se treinados serão futuros campeões mas as pessoas preferem importar cães de fora. Em 2005 um Argentino importou um New Kraftfeld que se tornou o melhor macho do Mundial. Nós colocamos na cabeça, em razão da mídia e do marketing que o que está lá fora é melhor. Mas tenham certeza, analisem e comparem os sites e criadores do mundo inteiro com o meu plantel, a minha história, os cães que já gerei e vejam se precisamos importar. Eu só justifico a importação para abrir o sangue, diminuir cosanguinidade e buscar somatórios específicos. Mas para buscar qualidade não vejo motivos pois já temos. Quando eu importo me perguntam, lá de fora, ao verem meu site, porque estaria importando pois teriam adorado meus cães. Não sabiam que no Brasil existisse essa qualidade. Respondo que seria para fazer novos e abertos cruzamentos. Ter sempre outras opções para trabalhar e selecionar. O brasileiro tem complexo de inferioridade e os europeus e americanos adoram essa nossa característica. Isso nos faz consumir mais o que é de fora e valorizar o que não é nosso. Alguns criadores jogam fora o que conquistaram para começar do zero usando só as genéticas da moda, as mais "certinhas". Outros cruzam filho com mãe para dizerem que "fecharam" com a genética do campeão mundial. Não importa se esses filhotes mais tarde desenvolverem uma patologia de tireóide, um transtorno neurológico ou uma anomalia genética qualquer. O que importa são os nomes que aparecerão no pedigree. Isso não é ciência. Isso não é ser criador. É ser mau e mal condutor de cruzamentos.

Os melhores cientistas brasileiros estão em universidades americanas ou européias. Nós não sabemos valorizar o que é nosso. O filme Quem Somos Nós, estudando a mecânica quântica mostra que vemos apenas parte da realidade e aquilo que queremos ver. Por isso entendo a mediocridade dos criadores de americans e de outras raças. Poucos são inteligentes e a maioria são apenas vaidosos e egocêntricos buscando títulos para se promoverem. Como são medíocres acreditam que obtendo títulos cinófilos se tornam melhores. Vejam o dentista que matou o leão. Ele se acha o máximo. Assim segue o homem percebendo apenas o que lhe interessa. O resultado em exposições não traduz o que é melhor. Na última exposição que fui me falaram que um determinado juíz dava best in show por R$ 5000,00. O que acham disso? Depois me perguntam porque eu tenho participado pouco em exposições. Porque o ambiente é podre. Podre que nem grande parte dos que competem. Continuarei comparecendo eventualmente. Não mais lutarei para vencer rankings. Teria que ir em muitas exposições, investir bastante e tomar tranquilizantes para não invadir a pista e dar um soco num juíz e outro num criador sem moral. Vale a pena? Será que meu site não é suficiente para que vejam meus americans. Será que preciso ficar provando a vida inteira. Seis anos vencendo o ranking não é o suficiente. O homem possui memória curta mas e a sua inteligência? Não somos inteligentes?? Eu sou otimista e sei que um dia tudo isso irá mudar pois nenhuma mentira se mantem para sempre e a verdade e o ótimo sempre triunfam, nem que seja numa outra geração. De minha parte estou feliz pois me sinto protegido e amado. Sentindo uma energia inefável e abrangente que intuo ser do Campo de Força e assim prossegue nosso trabalho New Kraftfeld.


  • 01 de Agosto de 2015
  • A amizade...

Uma sexta-feira de sol me possibilitou novas fotos dos filhotes. Estou num momento de muitos filhotes, Tive ninhadas numerosas e num número maior do que intentava ter ao mesmo tempo. Mas estou feliz com os resultados e gradativamente encontram seus donos definitivos. Existe uma beleza em ver o crescimento e a evolução das ninhadas. Essa é uma realidade antiga na minha vida e que norteou a minha decisão em criar. Perceber as nuances físicas e psicológicas de cada ninhada ou cão em particular é uma arte e um prazer. O homem busca muitos prazeres nessa vida mas alguns somam e outros só nos afastam de nós mesmos criando conflitos. Esse prazer de ver meus americans e seus filhotes, ao mesmo tempo que conheço boas pessoas que se tornam amigas é um prazer único e indiscritível. Creio que os nossos erros nos levam para maus caminhos e nossos acertos nos fazem encontrar momentos e pessoas que se tornam importantes em nossas vidas. Quem me procura atravessa uma ponte e o encontro de nossas mãos é o filhote que nos une em amizade. E o american passa a ser um amigo ou amiga que possui parte de nossa energia e que transcende o campo de força para o novo lar.


  • 13 de Julho de 2015
  • Quando o tempo permitir...

O clima interfere no humor do homem e dos animais. Em dias chuvosos como estamos há vários dias ficamos mais tristes, taciturnos, reflexivos e distantes. Algo parece nos desconectar das melhores experiências da vida. Se estamos dentro de um escritório ou num shopping essas sensações se dissipam. Por isso em dias de chuva, em fins de semana, os shoppings são muito frequentados por aqueles que conseguem sair de suas casas. Aqui no sul faz frio e chove bastante em Porto Alegre nessa segunda feira que por tradição é um dia depressivo. Começar a semana com muita chuva e um céu cinzento não é bom. Por isso não tirarei novas fotos dos filhotes. Aguardo melhores dias que certamente virão em breve. Mas os filhotes estão lindos. Cada dia mais espertos e carentes pois a chuva os deixa mais reclusos.

Nasceu a ninhada da Navaja com o Cielo.  Quando o tempo permitir coloco as 1as fotos.


  • 01 de Julho de 2015
  • Novo Site!

Com o objetivo de tornar nosso site melhor viável para redes móveis resolvemos reformular o mesmo. Ao mesmo tempo organizamos de tal forma a ficar disposto de forma mais moderna e de acordo com as novas tendências de programação.
Meu site de administração ficou mais inteligente e ágil para meu uso e colocação dos dados e imagens. Certos setores do site passarão a funcionar mais rapidamente e melhor apresentados.
Isso me ajuda no trabalho de atualização e expressão do nosso trabalho de criação. Como sou eu que faço as atualizações, colocação e edição de fotos e tudo o que aparece no site eu peço que se observarem algum erro me avisem para que eu corrija.
O site é nosso. Aproveitem. Enviem sugestões se tiverem. Esse espaço está sempre melhorando. Que nem nosso trabalho. Seja bem recebido sempre!


  • 22 de Junho de 2015
  • Evolução da raça...

Quando um médico examina um paciente numa UTI ou numa enfermaria ele procura uma folha de evolução e escreve como está o paciente naquele dia. Assim quando um outro médico for atende-lo poderá ler a situação nos dias anteriores ou até mesmo naquele dia caso essa visita seja num outro turno.

Para sabermos mais a respeito da raça American Staffordshire Terrier teriamos que saber de seus primórdios até hoje. Eu tive a felicidade de conhecer os primeiros americans que pisaram no Brasil e muitos de seus filhotes e futuros adultos. Minha paixão inicial foi por americans compactos. O Gandhi, a Maggie e a Ira, meus primeiros americans foram obtidos de um criador e amigo Glenn do canil Gameness. Todos eram compactos. Na ocasião eu li duas frases que me marcaram. A primeira: o american deve dar a impressão,   para quem o olha, como tendo força e massa concentrada num espaço pequeno. Tanto é que a altura até a cernelha de um macho deveria ser de preferência 48,6 cm e a fêmea 44 cm. O Gandhi, a Maggie e a Ira eram assim. 

Outra fase que me marcou: a coragem de um pitbull é proverbial. E eu estava vendo os americans como pitbulls, apenas melhores selecionados e seguindo um padrão definido pelo american kennel club. O termo coragem sempre me fascinou porque admiro os corajosos. Isso me permitia passear ao redor do sítio e não temer que Rottweilers e Filas que alguns incautos deixavam soltos na frente de suas casas no ameaçassem. Eles desistiam ao verem o olhar dos meus americans. O Gandhi chorava de vontade de brigar. Mas, em casa convivia bem com um Rottweiler que tive e com a gata persa da minha mulher. 

Nessa mesma época ouvi a frase: todo american é um pitbull mas nem todo o pitbull é um american. Isso era tão verdade que, nos USA, onde tudo estava começando desde o século passado, americans tinham duplo registro. Pitbulls e americans. Pelo UKC como pits e no AKC como americans. 

Depois de realizar vários cruzamentos em que introduzi o que de melhor havia no Brasil senti que esgotara as possibilidades. Trouxe o Red Byron e a Thatcher que mudaram as cabeças que haviam no país. De lá para cá trouxe outros americans que foram introduzidos no Campo de Força gradativamente mas respeitando meu esqueleto genético.

Hoje olho para o passado e o presente e percebo que a raça evoluiu em muitos aspectos mas se tornou perigosamente popular. Em cada esquina salta um american e, se entrarmos até no Mercado Livre encontramos as ofertas de filhotes pelos mais variados preços, em meio a anúncios de playstations, automóveis ou camisetas. É isso que vulgariza uma raça. Uma raça que iniciou com as frases que escutei há 23 anos atrás mereceria melhor destino. Cabe a mim, como um dos pioneiros no Brasil, honrar a raça que tanto amo e admiro. 

Mudando de tema diria que os filhotes estão lindos e, na ninhada da Thora com o Hunter vemos aqueles americans dos primórdios no Brasil. Bem compactos e fortes. Só não estão mais fortes ainda, alguns deles, porque a Thora falhou dessa vez e, só agora que já comem sózinhos que vão aparecer mesmo.

As outras ninhadas estão ótimas e podem ser vistas no site. Por falar em site, de 3 em 3 anos eu crio outros site, com algumas mudanças ou melhoramentos. O atual está muito bom, alguns dizem que é o melhor. Eu acredito porque os demais são desatualizados e as vezes aparecem as fotos de ninhadas de anos atrás. O novo será ainda melhor. 

Faço isso por respeito aos que entram no site. Mas em primeiro lugar por mim pois gosto de fazer direito. É mais divertido!

É isso por hoje!


  • 15 de Maio de 2015
  • Diário das ninhadas.

Eu tive uma idéia essa semana de criar um diário das ninhadas. Assim, quando abrirem a ninhada específica eu colocarei, não obrigatoriamente todos os dias, as novidades importantes que vão ocorrendo com a mesma. É uma maneira de se interarem da evolução.

Periódicamente eu mando fazer um novo site. Já tive uns 5 sites desde o nosso início. Estou agora elaborando um novo. Na verdade são pequenos ajustes, evoluções ou layouts mais modernos ou melhor dispostos. O meu admin, site de administração ficará com melhores recursos. O objetivo é sempre melhorar para facilitar e agradar a todos. A mim e a você que está lendo esse diário e que acompanha a nossa criação.


  • 07 de Maio de 2015
  • Nascimento, a renovação eterna...

Quando dizemos que algo poderá melhorar, que nossa vida tenderá a ser diferente e nos enchemos de esperança é porque almejamos algo novo e que supere o estado atual. Morre uma etapa e nasce uma nova fase. O mesmo acontece quando uma mãe tem um filho. Morre um estado de egocentrismo em que tudo girava em torno do ego dessa mulher e surge uma dinamica em que os cuidados com a nova vida são urgentes. Uma boa mãe dá sua vida pelo filho. Arrisca tudo para proteger ou salvar sua prole. Seu ego morre em razão de algo superior.

Por isso me agrada tanto a criação dos meus americans. Ver o comportamento de uma fêmea que antes tinha uma rotina seguindo suas necessidades, instintos e exigências. Subitamente nada mais é importante além de cuidar de sua prole e só se afasta deles pelas necessidades fisiológicas ou quando precisa de alimento para poder também nutrir seus filhotes.

A mãe, seja humana ou animal é a divindade em pessoa. Ninguém se aproxima tanto da natureza de Deus como a mulher e as fêmeas de todas as espécies. Raramente um macho possui tal natureza. Ouso dizer que Jesus só não foi mulher porque a tradição histórica da época não permitiria que uma mulher se manifestasse, tamanho os preconceitos vigentes.

E a Macabra que ontem estava ainda em seu estado de ser, inerente à sua personalidade, agora lambe seus filhotes e se submete a um trabalho árduo de permanecer deitada por longo tempo para que aqueles pequenos seres mamem e sobrevivam.

É uma fase de dúvidas, de riscos, desafios, como é a vida. O tempo para nascerem os filhotes já passara. Fiquei preocupado. A ecografia de hoje mostrava que os batimentos fetais de alguns estavam baixos. A cesárea foi uma decisão visando salvar a ninhada e a mãe. Se ela estivesse só na natureza poderia até sofrer consequências que colocassem sua vida em risco pois uma das alças uterinas estava muito dilatada. Enfim, ela fez a cesareana. Está viva e os filhotes precisam mamar. Fui agora olhar e um deles se escondeu num canto, em meio a jornais. resolvi tirar os mesmos. É um risco. Coloquei um aquecedor. São dez. Não sei quantos sobreviverão. Nem olhei os sexos. Isso é irrelevante agora. O frio que chegou aqui no sul é inimigo de filhotes tão pequenos. Mas nós cuidamos com amor.  Temos que honrar o Campo de Força!


  • 29 de Março de 2015
  • Exposição de 29 de março de 2015.

O handler Paulo Sena me visitou e me incitou a levar algum american em exposição. Pedi que treinasse o Excalibur. Depois de apenas 12 dias o Excalibur conseguiu vencer 3 pistas com 3 juizes diferentes. Na verdade o que importa é que recebeu os CACs e está a caminho de ser campeão. Vou qualificar alguns americans que estão merecendo receber o título de campeões brasileiros antes de seus nomes.

Foi bom estar lá pois encontrei alguns conhecidos que criam outras raças e podemos debater, conversarmos sobre amenidades. Ir de sangue dôce, sem pretenções, munido com uma máquina fotográfica e um sorriso no rosto é interessante. |Não se pode levar a muito sério competições de beleza. Competiçoes de beleza envolvem um jogo de vaidades. Cada um achando que seu é mais bonito que o outro.  Essa é a 2a exposição que o Excalibur participa. Na 1a ele desfilou mal pois queria brigar com os outros americans. Ele tem muita personalidade. Não está socializado. Nunca havia saído aqui do Campo de Força. Brinca com as fêmeas do plantel. Mas não é chegado em outros machos. Hoje o handler conseguiu que desfilasse numa boa. Ele está se tornandp um ótimo guarda. Meigo com a família mas desconfiado com os estranhos. Um bom american deve possuir personalidade. Ele não brigou com ninguém hoje. Mas se algum american resolver atacá-lo seria ruím que soubesse se defender bem? Mas em casa gosta de brincar com a família e crianças. Não gosta de estranhos que se aproximam da nossa casa. Isso se chama coragem e um american deve possuir essa virtude.


  • 22 de Março de 2015
  • Site e fotos...

Apesar de todos os meus esforços nesses anos para tornar nosso site o mais completo possível ainda recebo perguntas que mostram que algumas pessoas possuem alguma dificuldade de encontrar as informações que desejam em relação aos filhotes principalmente.

Por isso pretendo fazer o meu quarto site. Cada vez visando evoluir e propiciar melhores informações, novidades na estrutura do mesmo e, nessa ocasião eu quero que se torne mais fácil nesse quesito. Algumas pessoas me falam: puxa, não sabia que clicando na foto dos filhotes abririam outras (isso que eu escrevo que isso acontece!). Outros abrem a página do plantel e depois de verem 6 cães não notam que bem em baixo existem números para irem para as outras páginas e assim verem os demais cães do plantel.

Alguns entram no site e me perguntam meu telefone. Outros entram e me mandam um e-mail: o sr. está com filhotes? Isso que aparece lá: filhotes disponíveis. Algo está errado. Preciso melhorar em algum aspecto no site para que fique ainda mais claro.

Em grande parte isso ocorre porque as pessoas estão acostumadas com sites totalmente desatualizados. Ao clicarem em filhotes aparece uma ninhada do século passado. Abrem outro site e a mesma coisa. Eu sempre pensei que um site precisa ser atualizado e sério. Que seria uma falta de respeito com a pessoa que abre um site só ver informações da idade da pedra. 

No passado eu tive um site que abria uma música e eu colocava detalhes dessa música na parte inferior do site. Eu havia encomendado para o webdesigner fazer essa inovação que eu administrava. Sempre escolhia a dedo as canções e achava que estivesse agradando. Mas raramente alguém fazia algum comentário positivo. Na verdade era um silêncio sobre isso. Um dia me disseram que o meu site versaria sobre minha criação e que não era um site musical e, portanto não caberia ter música de fundo. Um outro ainda disse que ficaria mais pesado assim. Mandei tirar.

Nesse último site eu fiz vários melhoramentos na administração do mesmo e muitos pontos ficaram interessantes. Criei um espaço para depoimentos pois me dei conta de que tantas vezes no passado as pessoas se manifestarm e seria interessante para quem me conhecesse tivesse total segurança. Afinal adquirir um cão de longe, estando a milhares de quilômetros pode nos trazer inseguranças. Mas felizmente sempre tive total confiança das pessoas. Creio que meu site mostra com quem estão lidando e a seriedade do nosso trabalho.

Melhorei o diário canino que se tornou um blog. E assim por diante. Gosto de melhorar. A vida tem que ser para a frente!

 

Falo tudo isso para pedir que os amigos que visitam o site me enviem sugestões. Pontos que notam que seria melhor modificar ou melhorar. As boas idéias serão bem recebidas. Afinal meu site é de todos que apreciam o Campo de Força e se interessam pela raça American Staffordshire Terrier, em especial pelo nosso trabalho de criação. Aceito críticas.


Agradeço desde já!


  • 21 de Março de 2015
  • Ainda sobre os nomes em pedigrees...

Eu fiz uma longa explanação sobre as escolhas de nomes nos pedigrees nesse espaço recentemente. Quero complementar e deixar mais claro um ponto. As pessoas poderão escolher os nomes que irão nos pedigrees mas dentro de um certo tempo. Quem reservar até uma idade inferior a 30 dias poderá escolher os nomes. Mas, a partir dessa data eu registrarei a ninhada colocando os nomes de quem escolheu e, aqueles que ainda não tiverem donos, terão o nome escolhido por mim no registro. Eu costumo escolher belos nomes, mas, se a pessoa que decidir por um dos últimos filhotes não gostar do nome pode chamar pelo apelido que gostar. Isso eu acho até bom porque as vezes gostamos de chamar um cão de Porquinho, Careca, Cabeça, Totó, Cacau, Leleca, Aninha, etc, nomes que não ficam bem num pedigree mas que dentro de nosso universo com  nosso amigo ou amiga são plenamente normais.

O objetivo é registrar antes e poder entregar mais rapidamente os pedigrees para as pessoas.

Entenderam?


  • 19 de Março de 2015
  • A branca de neve e a bruxa.

A Thora cruzou no dia 6 de março com o Hunter. Certamente nascerão tratores, ou seja, muita força num espaço compacto ou concentrado. Essa era a idéia inicial do que se entendia por um AST. Noto que geralmente é a fêmea que determina o tamanho do cão. Quando no passado eu importei o Aliaj Red Byron todos notavam que ele era grande, maior do que todos os americans que circulavam nas exposições do Brasil. Mas já havia essa tendência no exterior e aqui existiam poucas linhas de sangue. Mas o Red Byron não gerava "gigantes". Ele passava belas cabeças, estrutura e cães compactos. Meu segredo? Cruzava com fêmeas compactas e as melhorava. Eram fêmeas que existiam no Brasil e que precisavam de um "upgrade". Com a bela Gameness Ira Elmopan eu consegui, cruzando com o Byron jóias como Marte (Best in Show), Mercur (bastante premiado tendo obtido muitos prêmios), a Venus (Campeão e uma jóia de fêmea), Júpiter (que foi para o exterior e assim por diante. Coloquei nomes de planetas nessa ninhada. Parecia que tivesse uma premonição que seriam galácticos. Teve uma exposição especializada da raça que o Marte e o Mercur participaram. O juiz resolveu medir os americans. Esse era macho. Ninguém mais faz isso. Mediu e só ficaram na pista o Marte e o Mercur. Os concorrentes naquela ocasião disseram que eu havia pedido para o juiz medir. Vejam como a cinofilia possui esquizofrênicos pois como eu teria poder para "mandar" um juiz medir alturas. Se tivesse mandaria medirem sempre.

Mas eu disse tudo isso para avisar que cruzei essa semana a Eboby com o Monster. Caso eu não esteja enganado nascerão galácticos. O Mosnter, como o nome diz, é um monstro de forte, uma cabeça de Mastim Napolitano. E a Ebony compacta e perfeita. Ela forjará o tamanho e o Monster dará estrutura numa ninhada cuja mãe já é forte mas do tamanho que aprecio. Me cobrem mais tarde. A menos que ela não engravide ou ocorra um tsunami.

A vida necessita de esperanças. Planos, metas e planejamentos. Numa criação devemos estudar o que queremos. Pensar muito no american que desejamos. Nem sempre agradará os incompetentes e modistas juízes. Nesses casos nem precisamos levar em pista. Apenas umas duas vezes para as pessoas suspirarem e dizerem: puxa que american! E depois se espantarem ao ver que ele não venceu porque não desfilou que nem um bailarino, alegre e saltitante. Os corajosos gladiadores não desfilavam saltitantes preocupados com a platéia mas lutavam corajosamente para uma meta. O american de verdade não precisa ser bailarino. Alguns são ótimos e desfilam bem. Mas essa não deveria ser o único foco de um juiz. Atualmente os juizes só observam se o cão desfila bem e ganha o que faz isso com maestria, conduzido por um profissional do ramo. Dói ver americans maravilhosos perderem apenas porque não desfilaram de forma perfeita. Mas é um show e o desfile é o que importa. Por isso eu vou pouco em exposições desde 2010 e não mais disputei rankings. Não posso forjar meu plantel apenas nesse quesito e gastar fortunas em viagens pelo Brasil. Prefiro ter os melhores americans e o melhor plantel em beleza, estrutura e temperamento. Selecionar pelos critérios mais importantes para nortear um processo de criação.

Nos USA conseguiram destruir varias raças em estrutura, tamanho e temperamento com a obssessão pelos padrões de desfile. Prefiro ter um gladiador forte, corajoso e que chame a atenção pelas virtudes da estrutura e do temperamento equilibrado do que um bailarino aplaudido nos palcos da cinofilia. Creio que outras raças se prestam mais para isso sem comprometer as suas funções, suas características e sua história. Em outras palavras, um american péssimo mas que desfile bem ganha de um american extraordinário que desfile pior do que esse. Percebem a distorção? Seria como a bruxa vencer a branca de neve em razão do desfile. Assistam uma exposição e verifiquem se o que estou dizendo não é verdade.

Mas deixem os juízes e os cegos! Na Terra existe espaço para os medíocres e para os idealista. Vou continuar preferindo a branca de neve.


  • 14 de Março de 2015
  • Um mundo de possibilidades...

Me afastei do blog mas não das atualizações aqui ou ali no site. Principalmente dos filhotes e cruzamentos. Geralmente as pessoas querem ver as fotos dos filhotes e por vezes não notam que clicando na foto abrem outras. Isso é comum de acontecer. Isso que eu escrevo avisando para clicar.

Eu vi uma vez um filme chamado "O mundo em que vivemos". Devo já ter comentado. Trata sobre mecânica quântica, sistemas de pensamento, forma como nós focamos restritamente a realidade. Isso vale para tudo. Nós de fato temos uma visão extremamente limitada da realidade. Visualizamos apenas um ponto que focamos. Por isso somos infelizes nas nossas escolhas pois não temos uma visão clara de quem nós somos e do que realmente queremos. Por isso sofremos. A personagem do filme ao descobrir outros focos começa a perceber uma gama de possibilidades antes desconhecidas e, assim, descobre, com alegria que o mundo é repleto de possibilidades.

Falando nisso eu percebi que o sistema antigo como fazia o registro dos cães era melhor. No início dos meus tempos de criador eu registrava os filhotes e escolhia os nomes. Cedo eu já tinha os registros e podia entregar os pedigrees. Até que eu inventei de tentar agradar mais as pessoas e abri a possibilidade de escolherem os nomes. Como eu não coloco os filhotes todos de uma só vez eu fico aguardando até a última entrega. As vezes um filhote fica para o fim e eu aguardo um pouco mais. Outras vezes as pessoas ainda me pedem para esperar pois ainda não escolheram o nome para dar ao filhote.

Pois bem, aí que meu foco de raciocínio percebeu que tudo isso é totalmente irrelevante. Ou seja, colocar o nome de nossa preferência no pedigree é desnecessário porque o pedigree é um documento que fica guardado dentro de uma gaveta. Nós não precisamos dele para chamar o nosso amigo ou amiga de quatro patas. Muitas vezes pedem para eu registrar com nomes que sáo difíceis de chamar o cão. Depois me dizem que o filho ou esposa resolveu chamar de um apelido. É diferente do ser humano que possui um documento de identidade para dezenas de finalidades e, mesmo assim, não foi ele que escolheu e precisa ser chamado daquele nome em situações formais. E será ele que dirá: me chamo Godofredo. 

Se eu registrar com os nomes que eu escolher a pessoa terá um documento comprovando que seu cão possui pedigree e constando a árvore genealógica que permitirá que possa registrar ninhadas com esse macho ou fêmea e a pessoa, se não gostar do nome que eu escolhi, simplesmente chama pelo apelido que desejar. Esse documento não será necessário para chamar o cão. Repetindo, ficará dentro de uma gaveta.

Veja bem, muitos americans americanos possuem nomes do tipo: Dreaming in the Shadow ou Before the Storm e assim por diante. Traduzindo seria como chamar nosso cão de: Dormindo na Sombra ou de Antes da Tempestade. Logicamente esses cães possuem apelidos. É até chique tu dizeres assim: meu cão Bruce na verdade se chama Green Sword Winning the Enemy ou Espada Verde Vencendo o Inimigo. 

A vantagem é que eu mais cedo poderei entregar os pedigrees pois muitos ficam na angústia de receberem logo o pedigree e isso é justo e normal. Eu mesmo já fiquei um bom tempo aguardando pedigrees. A CBKC, depois que entregamos no kennel o mapa de ninhada ela demora uns 40 dias ou mais para enviar de volta.

Sendo assim eu farei o seguinte: quando os filhotes estiverem bem novos, em torno dos 15 dias, ao ocorrer a reserva eu informarei dessa situação. Se houver um nome eu anoto. A partir daí, para os próximos que reservarem eu já informarei os nomes que escolhi e a pessoa escolherá entre aqueles nomes. Se não gostar de Cameron por exemplo e quiser chamar de Aquiles não tem problema algum. 

O nome do cão não precisa ser o nome que aparece no pedigree. Por isso existe o apelido.

Vejam como a mecãnica quântica pode incidir luz até em questões cinófilas. E por falar nas mesmas informo que essa semana o Blue Rambo cruzou com a Macabra e a Thora com o Hunter. A Ebony está no cio e creio que fará o seu primeiro cruzamento.

A vida é complexa. Estamos interagindo num planeta desigual e que avança numa velocidade que estamos incapacitados de acompanhar. Corremos contra o tempo que é inexorável. Mas podemos brincar com a realidade se driblarmos esse condicionamento que nos impulsiona a pensar como todos. Porque não pensar diferente hoje e ver uma outra possibilidade para nossas vidas?